Nesta sexta-feira (5), é dia Mundial do Meio Ambiente e aniversário de um ano do nosso projeto Recicla Orla. A comemoração foi em grande estilo, com uma live transmitida ao vivo no YouTube para debater questões ligadas a sustentabilidade. O assunto se tornou ainda mais relevante dada a pandemia que assola o mundo e desperta ainda mais a urgência de conscientização e ressignificação das coisas.

Para comentar o tema, falar dos resultados ao longo desse um ano de Recicla Orla e dos planos futuros estiveram presentes o presidente da Orla Rio, João Marcello Barreto, o sócio fundador da Polen, Renato Paquet e o secretário municipal de Meio Ambiente, Bernardo Egas. Além deles, participaram também a fundadora da SOS Lagoas, Cris Queiroga, o sócio-fundador da Route Brasil, Simão Marisco, o gerente da Cogumelo, Gustavo Tavella e a coordenadora de marketing da Unilever, Marina Teixeira.

A grande novidade anunciada na live foram os modelos de mesas e cadeiras produzidas 100% com materiais reciclados que foram coletados na praia. A produção é uma parceria com a Cogumelo, pioneira em produção de madeira plástica. Ao longo da transmissão assuntos como gestão de resíduos, produção de lixo, reciclagem, reaproveitamento, economia circular, logística reversa, conscientização e educação ambiental também foram abordados pelos participantes. Confira os principais pontos.

Balanço Recicla Orla

O Recicla Orla já garantiu o reaproveitamento de quase 150 toneladas de lixo ao longo desse primeiro ano de atuação. Resultado da união entre a Orla Rio e a Polen, o projeto coloca à disposição de cariocas, turistas e operadores pontos de entrega voluntários (PEVs) para descarte de resíduos.

Antes do projeto, a Orla Rio já estava envolvida em ações de sustentabilidade por entender que esse é um dos pilares da empresa. O Recicla Orla veio para somar e fazer a logística reversa, ou seja, devolver esses materiais descartados ao ciclo produtivo, ressignificando e dando uma nova vida a esses resíduos.

O projeto se estende em 26 pontos do Arpoador ao Mirante do Leblon e a expectativa é de ampliação dos PEVs até o fim do ano. O presidente João Marcello Barreto ressalta que a meta é estar presente em todos os quiosques e, a partir disso, levar a iniciativa para outras áreas da cidade. Uma estimativa feita com a Polen prevê uma coleta de 1500 toneladas mensais de resíduos em um panorama onde todos os quiosques da Orla tenham um PEV.

“Ter um PEV em um lugar tão democrático como a praia faz com que qualquer pessoa possa descartar corretamente”, defende Cris Queiroga, do SOS Lagoas.

Apoio municipal

A Secretaria Municipal de Meio Ambiente, sob a gestão do secretário Bernardo Egas, tem apoiado diversos projetos voltados para o meio ambiente. A intenção é agregar valor à iniciativas que contribuam para a economia circular dos resíduos e na mudança de pensamento da sociedade. É importante a percepção de que quase nada é lixo, de fato, e através do descarte correto muita coisa pode ser reaproveitada.

Educação Ambiental

A educação ambiental é o grande desafio para o presente e futuro. O sucesso de qualquer operação com resíduo depende do engajamento e da conscientização da sociedade. Neste sentido, o trabalho feito pelo SOS Lagoas e pela Route Brasil é de extrema importância pois, além dos mutirões de limpeza, alerta as pessoas sobre o valor da participação individual no processo. É importante fazer com que a informação chegue ao consumidor.

Impacto positivo

Muito se fala em impacto, principalmente em relação às marcas e empresas que levantam a bandeira da consciência ambiental, mas a reflexão deixada pela live é sobre a marca que nós, como indivíduos e cidadãos, estamos deixando. Simão Mourisco, da Route Brasil, reforçou que em um mundo com 7 bilhões de pessoas consumindo, devemos buscar o equilíbrio no dia a dia para gerar valor humano.

As questões ambientais no mundo pós Covid-19

Uma das coisas que mais tem se falado nesse período é de como o lixo nas praias, a poluição no ar e os resíduos no mar diminuíram. O planeta deu uma respirada durante esse tempo de isolamento e muitas lições podem ser absorvidas para moldar os desejos para o futuro. Os participantes falaram sobre percepções e expectativas.

Um espaço maior para questões de sustentabilidade foi uma percepção unânime. Além disso, outros pontos como maior visibilidade de projetos ecológicos, pessoas mais preocupadas com a saúde e mais senso de coletividade foram levantados para reflexão.

“A pandemia nos fez repensar, criar prioridades”, afirma Barreto.


Confira a live na íntegra:

Deixe um comentário

AIzaSyA5tPbYDErzSozNDJ4r7vcHSXTfKEz1oWc