Um “primo distante” do futebol, e uma mistura de pique bandeira e atletismo, esse é o secular rugby. Essa modalidade esportiva possui milhares de praticantes e fãs ao redor do mundo e no Brasil não poderia ser diferente. Entretanto, como diz o ditado “o que é bom sempre pode melhorar”. Dessa ideia nasceu o beach rugby. E o nosso papo de hoje é sobre ele. 

Mas lembre-se: antes de começar a praticar qualquer atividade consulte seu médico, procure a orientação de um profissional de educação física e não esqueça o protetor solar. Recado dado então, vamos lá. Pegue a bola e movimente-se!

O beach rugby ou rugby de praia é um variação da modalidade tradicional. Além de ser praticado na areia, ele possui uma série de regras e adaptações. Podemos entender melhor essa questão se compararmos o esporte com o beach soccer.

O esporte é praticado por dois times com cinco jogadores. São jogados dois tempos de cinco minutos cada, com dois minutos de intervalo entre eles. Além disso, diferentemente do rugby tradicional onde é imprescindível chutar a bola, no rugby na areia os chutes não são permitidos.

Mas não se engane. Dois tempos de cinco minutos são extremamente desgastantes. Isto porque a areia reduz a velocidade e aumenta a exigência física. Afinal, por termos menos velocidade na areia, os choques passam a ser mais constantes. Os movimentos também são afetados pela perda de mobilidade, uma vez que os pés afundam na areia.

Estudos indicam que o rugby de praia melhora a capacidade física, principalmente em relação à maior eficiência cardiorrespiratória e aumento da força e resistência muscular. Vale lembrar também que é um esporte que promove a disciplina, coordenação, raciocínio estratégico e lógico, além da interação social.

Importante: a Orla Rio esclarece que todas as dicas postadas devem obedecer aos protocolos de segurança instituídos pelo poder público enquanto a pandemia de coronavírus não estiver contida.

Deixe um comentário

AIzaSyA5tPbYDErzSozNDJ4r7vcHSXTfKEz1oWc