Culinária paraense chega à orla carioca com o Tony Lanche

O Leme acaba de ganhar um novo empreendimento e mais uma opção de gastronomia regional, dessa vez vinda diretamente do norte do Brasil. O Tony Lanche já começou os trabalhos visando a estação mais quente do ano, com a estrutura pronta para receber cariocas e turistas, o quiosque mistura a culinária do Rio com o tempero do Pará e o resultado promete ser um sucesso.

Os sócios Paraenses, Antônio Rosário e Ricardo Gama sempre tiveram o sonho de morar no Rio de Janeiro. Chegaram em meados de março para intensificar a culinária paraense no local mais privilegiado do Rio: a Praia. Os amigos trouxeram na bagagem a expertise na administração de dois restaurantes em Belém-PA e muitas novidades exclusivas.

No cardápio os destaques são os quitutes típicos que estão sendo desenvolvidos e adaptados em porções perfeitas para o clima da praia. Entre os pratos, os principais – e mais autênticos – são a Caldeirada de Filhote composta de legumes cozidos no tucupi,  camarão, ovos e jambu; o Ceviche Tropical, com peixe marinado servido em taça com pimenta e  temperos frescos; o famoso peixe com açaí e o Risoto de Caranguejo, também popular nos restaurantes do Pará. 

O quiosque também aposta nos pratos executivos durante a semana, de 11h às 17h, com pratos queridinhos dos cariocas, com preço acessível e um guaraná natural de cortesia. Em relação às bebidas, drinks como caipirinha e caipivodka com frutas em valor promocional dão boas vindas.

Para dar o pontapé inicial em grande estilo, o Tony Lanche está preparando uma inauguração para este final de semana, nos dias 12/12 e 13/12, com muita música e promoções de bebidas e petiscos. A  DJ Mística se apresenta a partir das 18h com com um setlist  no estilo lounge, beach music, chillout. Venha conhecer!


Quiosque Tony Lanche
Posto 1, Leme – Em frente ao Hotel Hilton
Funcionamento: todos os dias, das 9h às 0h. 

VOCÊ VAI GOSTAR DE VER TAMBÉM…

Domingo de experiências no Tia Augusta

Domingo de experiências no Tia Augusta

Há mais de 60 anos, um pequeno negócio nascia na Barra da Tijuca sob o vigor da  portuguesa Maria Augusta Ferreira que, naqueles tempos, nem podia imaginar a proporção que