A abertura dos Jogos Olímpicos de Tóquio acontece na próxima sexta-feira (23) mas a maior parte dos atletas já estão no solo das disputas. Com 301 nomes classificados, a delegação brasileira chega a Tóquio com número bem maior do que o enviado para os Jogos Olímpicos de Londres, em 2012, mas ainda inferior ao recorde alcançado nos Jogos do Rio, com 465 atletas inscritos. 

A competição acontece de 23 de julho a 8 de agosto e, além das novidades como a estreia do surf, conta com alguns destaques que vão representar o Rio de Janeiro. Confira os nomes e prepare a sua torcida!

Rebeca Andrade – Ginástica Artística 
Além de garantir sua vaga no Japão, a ginasta do Flamengo viralizou nas redes sociais em junho, após se apresentar no Campeonato Pan-Americano ao som do funk Baile de Favela. Rebeca, de 22 anos, chegou ao primeiro lugar na categoria individual geral e, no mesmo mês, também ganhou o ouro nas barras assimétricas na Copa do Mundo de Ginástica Artística. Com apenas 13 anos, a atleta conquistou seu primeiro título, o Troféu Brasil de Ginástica Artística, superando grandes nomes como Jade Barbosa e Daniele Hypólito. A atleta passou por momentos turbulentos na carreira, como três cirurgias no joelho em decorrência de lesões em 2015, 2017 e 2019, e agora busca conquistar seu primeiro pódio nos Jogos.

Flávia Saraiva – Ginástica Artística
Representando o Brasil ao lado de Rebeca Andrade, a carioca de 21 anos também sonha em chegar às finais. A ginasta foi um dos principais nomes da Olimpíada de 2016, sua estreia nos jogos, conquistando o 5° lugar na trave olímpica e 8° na competição por equipes, além de cativar o público. Flavinha, como é carinhosamente chamada, começou a brilhar no esporte com apenas oito anos de idade, nos treinos de um projeto social da Zona Oeste. Aos 14 anos, ganhou o ouro no solo nos Jogos Olímpicos da Juventude de Nanquim, na China, além de levar duas pratas na trave e na prova individual geral. No Mundial de 2018 e de 2019, ela conquistou, respectivamente, a quinta e a quarta colocação, garantindo sua classificação na competição olímpica.

Guilherme Costa – Natação
O nadador de 22 anos é uma das promessas da natação do Rio em Tóquio. Guilherme se classificou para sua primeira Olimpíada cravando os melhores tempos do Brasil nas modalidades de 400, 800 e 1 500 metros livres. Apelidado de “cachorrão”, o jovem de Itaguaí começou a nadar aos 6 anos de idade. Em 2012, com apenas 14, tornou-se o número 1 do Brasil na categoria Infantil. O atleta já soma 20 títulos brasileiros absolutos e treze recordes sul-americanos nas provas de 400, 800 e 1 500 metros. Entre as conquistas, estão as medalhas de ouro nos Jogos Sul-Americanos de 2018 e no Pan-Americano de 2019.

Hugo Calderano – Tênis de Mesa 
Após vencer na categoria individual da modalidade no Pan-Americano de Lima, em 2019, Hugo Calderano, de 24 anos, garantiu sua segunda participação nos jogos olímpicos. Eleito como o sétimo no ranking mundial de tênis de mesa, o atleta alcançou a nona posição na Rio 2016 e igualou o melhor desempenho brasileiro na competição, do paulista Hugo Hoyama. Desde 2014, o carioca mora em Ochsenhausen, na Alemanha, onde joga profissionalmente pelo time local. Nesse mesmo ano, fez história ao conquistar a primeira medalha brasileira nos Jogos Olímpicos da Juventude, na China. O mesatenista começou na categoria aos 8 anos de idade e foi o mais jovem a ganhar uma etapa do Circuito Mundial da ITTF, em 2013, além do primeiro a vencer etapas do Circuito Mundial Juvenil e Adulto, no mesmo ano.

Maria Iêda Guimarães – pentatlo moderno 
Classificada há dois anos para os Jogos de Tóquio, Iêda Guimarães, de 20 anos, é a única representante do Brasil na modalidade, que reúne: hipismo, esgrima, natação, tiro esportivo e corrida. Eleita a melhor do ano em 2018 e 2019 pelo Prêmio Brasil Olímpico, a pentatleta garantiu sua vaga na Olimpíada ao conquistar o quarto lugar no ranking geral no Pan-Americano de Lima. A jovem da Zona Oeste do Rio também começou cedo no esporte, com apenas 9 anos, quando foi inscrita pelo pai no projeto PentaJovem. Às vésperas de embarcar para o Japão, a carioca contraiu a Covid-19, mas conseguiu cumprir o período de quarentena e se recuperar a tempo de correr atrás da medalha.

Ygor Coelho – Badminton 
Competindo nos jogos olímpicos pela segunda vez, o carioca de 24 anos é considerado o maior nome brasileiro do badminton na modalidade masculina. Na Rio 2016, ele fez história ao se tornar o primeiro a representar o Brasil no esporte. O primeiro ouro que conquistou para o país foi nos Jogos Pan-Americanos de Lima, em 2019. Morando atualmente na Dinamarca e com passagem pela França, o atleta começou sua história no esporte na Comunidade do Chacrinha, na Zona Oeste carioca. Com apenas 3 anos de idade, o pequeno atleta jogava no quintal de casa, através de um projeto social coordenado por seu pai. Desde cedo começou a vencer títulos, como o Campeonato Pan-Americano Júnior, onde alcançou doze vezes o primeiro lugar.

Lucas Verthein – Remo
O remador do Botafogo se destacou na disputa do Pré-Olímpico e garantiu sua vaga em Tóquio. Lucas Verthein, de 22 anos, foi o mais veloz em todas as três provas no single skiff masculino, com tempo total de 7min24s. O jovem atleta já carrega outras medalhas na lista, como o bronze brasileiro inédito do Campeonato Mundial Júnior de remo, em 2016, e o bronze no skiff duplo masculino no Pan-Americano de 2019. Agora, compete pela primeira vez na Olimpíada, na expectativa de uma nova conquista.

Evandro – Volêi de Praia
Em dupla com Bruno Schmidt, o carioca Evandro começou a jogar nas quadras do Tijuca Tênis Clube, no Rio de Janeiro, em 2003. Passou pelo Fluminense (RJ) e pelo Banespa (SP), além das seleções brasileiras infanto-juvenil e juvenil. Atua nas areias desde 2009  onde jogou ao lado de Oscar antes de formar dupla com Harley. Depois, por mais de dois anos, formou dupla com o paraibano Vitor Felipe. Em outubro de 2014, fechou com Pedro Solberg em busca do sonho olímpico. A dupla foi ao pódio em quatro oportunidades no Circuito Mundial 2015 e ficou com uma das vagas para os Jogos de 2016. Em 2017, o carioca se juntou ao capixaba André Stein, vencendo tudo que disputou. Foram campeões do Campeonato Mundial e do Circuito Mundial 2017, além do Circuito Brasileiro 17/18 e do SuperPraia. Em fevereiro de 2019 passou a formar parceria com o campeão olímpico Bruno Schmidt, com quem se classificou para os Jogos de Tóquio.

Quer saber mais sobre modalidades esportivas nas praias do Rio? Conheça a nossa série Movimente-se

Fonte: Veja Rio com adaptações.

Deixe um comentário

AIzaSyA5tPbYDErzSozNDJ4r7vcHSXTfKEz1oWc