Prêmio Sabores da Orla 2021 já começou!

Sabores da Orla

A espera finalmente acabou e já foi dada a largada para o festival gastronômico mais saboroso da praia! Com 120 quiosques participantes, do Leme ao Pontal, esta será a maior edição do concurso que vai eleger os melhores pratos da orla carioca. O vencedor ganhará uma premiação em dinheiro e a oportunidade de preparar o prato ao vivo no programa Vem com a Gente, da TV Band Rio, além do prestígio entre cariocas e turistas.

A partir desta quinta-feira, dia 01, até o 31 de julho, o público poderá experimentar os pratos concorrentes e participar deste grande festival. Este ano, além do crivo do júri técnico, composto por uma equipe do SindRio e os renomados chefs Jimmy Ogro e João Diamante, serão duas categorias eleitas pelo público: o quiosque preferido e os três melhores garçons. O voto será por meio do aplicativo Sabores da Orla, disponível na Apple Store e Google Play.

Os quiosques já estão animados e prontos para receber a todos. E ao longo de todo o mês de julho, diversas ações serão realizadas para deixar o que já é bom ainda melhor.  

Veja os pratos que vão concorrer: Leme e Copacabana| Arpoador, Ipanema, Leblon e São Conrado | Barra | Recreio.

O Prêmio Sabores da Orla deste ano conta com apoio comercial das marcas: Ambev, Bombay Sapphire, Da Orla e Fairmont. Todos os pratos estarão no iFood, delivery oficial do festival, e terão a opção de pagamento com AME, que dá 5% de cashback no valor total da conta. A cobertura de mídia será feita pela BandNews FM e TV Band. 

E, para ficar por dentro de tudo sobre a 4ª edição do Prêmio Sabores da Orla e acompanhar as informações quentinhas, não deixe de se inscrever no site premiosaboresdaorla.com.br. Você também pode conferir tudo que acontece em: http://orlario.com.vc/category/premio-sabores-da-orla/ e nas redes sociais. 

VOCÊ VAI GOSTAR DE VER TAMBÉM…

Domingo de experiências no Tia Augusta

Domingo de experiências no Tia Augusta

Há mais de 60 anos, um pequeno negócio nascia na Barra da Tijuca sob o vigor da  portuguesa Maria Augusta Ferreira que, naqueles tempos, nem podia imaginar a proporção que