Nesta quarta-feira (11), é comemorado o Dia do Garçom. Os garçons e as garçonetes são os responsáveis pelo bom atendimento e agilidade no serviço de restaurantes, bares e quiosques, por exemplo. Alguns destes profissionais prestam um atendimento tão personalizado e único, que se transformam em uma figura referência para o estabelecimento. Estes personagens, então, atraem clientes aos lugares pelo seu atendimento. 

Muitos destes profissionais começaram suas carreiras como garçons e, hoje em dia, seguiram outros rumos, com a ajuda desta profissão. Antigos ou atuais garçons, não poderíamos deixar de fazer uma homenagem a esta profissão tão importante. Especialmente aos nossos garçons dos quiosques da orla carioca, que sempre nos servem com grande alegria e dedicação. Além dos nossos parabéns e agradecimentos, vamos contar a história de alguns profissionais da orla carioca que tiveram ou têm a profissão de garçom como trajetória fundamental em suas vidas. 

Marcos Fábio Domingos, de 47 anos, é o atual chefe de bar e comprador do quiosque Krabi, que fica na Barra da Tijuca. O caminho profissional da vida dele começou com seu primeiro emprego: garçom em um boliche no Barra Shopping. Após ter se formado no Ensino Médio e não ter ingressado na faculdade, Domingos precisava trabalhar, mas não tinha experiência de trabalho. Por indicação de amigos, em 1995, conseguiu este emprego e, segundo ele, foi assim que se interessou pelo ramo e nunca mais quis sair desta área. 

Foi lá que eu entendi que, para crescer, eu precisava voltar a estudar. E assim o fiz. Então, fiz curso de garçom no Senac, em 1998, para me aprimorar cada vez mais. De garçom, fui para barman. Estudei a profissão, fiz mais cursos e me especializei em bar e bebidas.

De acordo com Domingos, trabalhar como garçom foi um divisor de águas na vida dele e abriu várias portas nos rumos profissional e pessoal, além de ter proporcionado aprendizados que ele vai levar para a vida. Para o ex-garçom, a arte de servir é encantadora no mundo, mas, principalmente, na Cidade Maravilhosa. 

Como garçom, eu tive a oportunidade de trabalhar e aprender com vários profissionais que vinham da hotelaria, por exemplo, e tiveram a paciência de me treinar. Com os cursos que comecei a fazer, me capacitei e obtive boas propostas de emprego. Um dos aprendizados que levo para minha vida por ter trabalhado como garçom é fazer o melhor sempre. Qualidade no atendimento é essencial para conquistar uma excelente imagem e prestar atenção máxima aos detalhes é fundamental para buscar a satisfação máxima do consumidor.

Marcos Fábio Domingos trabalhando

Oriel Sebastião Francisco Domingos, de 24 anos, trabalha atualmente como garçom, no quiosque Morena, em Copacabana. Ele é da Angola e, há oito (8) anos, veio morar no Brasil em busca de melhores condições de vida. De acordo com o angolano, ele, por acaso, descobriu a profissão que exerce atualmente por meio de um curso de garçom, que fez gratuitamente pelo SENAC. 

Este curso mudou a minha vida e foi lá que eu me apaixonei pela profissão de garçom. Ela me proporcionou, e continua me proporcionando, muito aprendizado. Sigo vivendo e aprendendo, principalmente com os colegas ao meu redor. Ainda mais trabalhando na orla do Rio, nada melhor que ver este mar maravilhoso e o pôr do sol.

O garçom é muito querido e requisitado pelos frequentadores do quiosque. Para Oriel, um cliente feliz é uma das principais satisfações de seu trabalho e ele busca sempre dar o melhor atendimento possível. 

Oriel Sebastião Francisco Domingos

A Orla Rio deseja aos garçons um feliz Dia do Garçom e muito sucesso e felicidade em suas vidas profissionais e pessoais! 

Deixe um comentário

AIzaSyA5tPbYDErzSozNDJ4r7vcHSXTfKEz1oWc