Nesta terça-feira (31), comemoramos o Dia do Nutricionista. A data foi criada em 1949, pela Associação Brasileira de Nutricionistas, que atualmente é a Associação Brasileira de Nutrição. O nutricionista pode atuar em diversos ramos da profissão, que geralmente estão relacionados à educação alimentar e à relação das pessoas com a comida. 

Para comemorar este dia, chamamos a nutricionista Ligia Abreu para bater um papo com a gente, no Instagram da Orla Rio, sobre a sua história profissional e sua experiência com as comidas dos quiosques da orla carioca. Ela, atualmente, atua na capacitação de técnicos em nutrição. Ligia também participou do time de jurados que avaliou os pratos do Prêmio Sabores da Orla 2021 e escolheu os top 10, que foram para a final. 

O primeiro contato da nutricionista com a área dos alimentos foi aos 14 anos, quando ela trabalhava com a família, aos fins de semana, nas vendas de cachorro-quente e hambúrguer, em uma barraquinha. De acordo com Ligia, foi lá que ela desenvolveu interesse pelos alimentos e pela área de nutrição, até quando escolheu, de fato, fazer o curso. 

Eu observava meus pais organizando e planejando todo o processo de compras e descobria como iria ao fornecedor. Aos poucos, fui aprendendo e gostando deste meio. Mais para frente, quando eu estava no pré-vestibular, minha mãe e meu pai abriram uma distribuidora de alimentos, e ,então, comecei a atuar ali. Eu havia tentado vestibular para Engenharia Química e, graças a Deus, não passei porque não era o que eu realmente queria. Fiz um teste psicotécnico e sugeriram nutrição. Foi certeiro. Eu me apaixonei desde o primeiro dia.”

Ligia disse que participar da avaliação dos pratos do Prêmio Sabores da Orla deste ano quebrou paradigmas que ela tinha em relação às comidas dos quiosques, como a ideia de a maioria dos pratos serem corriqueiros e padronizados. Segundo a nutricionista, o que a surpreendeu foi o fato de os quiosques oferecerem comidas diversas, com qualidade e que também podem ser saudáveis. 

Para mim, foi uma surpresa muito grande. Eu imaginava apenas aqueles pratos típicos da praia, feitos rapidamente, em uma estrutura improvisada. Quando vi os demais pratos, como hambúrguer e nhoque, me surpreendi com a diversidade. São pratos que vão desde o cachorro-quente até a lagosta. Achei legal que, hoje, cada vez mais, vemos pessoas buscando qualidade em relação à alimentação.

A profissional revelou que a estrutura dos quiosques foi um dos aspectos que mais a impressionou na avaliação dos pratos do Prêmio. Além disso, Lígia disse que é possível sim comer saudável na orla, tudo é questão de achar um equilíbrio. A nutricionista acrescentou que o gurjão de peixe não precisa ser deixado de lado, mas não são todos os dias que vamos consumi-lo. Para ela, tudo é questão de equilíbrio na alimentação. 

Temos quiosques que vendem desde pratos com proposta de alimentação saudável, como um dos ganhadores, o 2º lugar (Praiô), com a Mandala de Peixe, até pratos mais elaborados, mas isso não quer dizer que não podemos comer, tudo é uma questão de equilíbrio. O que mais me impressionou foi a estrutura dos quiosques em relação ao processo produtivo. Uma das minhas especialidades é segurança em alimentos, então cheguei com um olhar atento e curioso. O bom do quiosque é que você consegue ver todo o processo de produção: desde o balcão, onde se vê a chapa e a fritadeira, até o prato na mesa.

Confira a nossa live: https://www.instagram.com/tv/CTP21RhlN6C/?utm_source=ig_web_copy_link

Deixe um comentário

AIzaSyA5tPbYDErzSozNDJ4r7vcHSXTfKEz1oWc