Dia do Barman é comemorado nesta terça

Dia do Barman é comemorado nesta terça

Nesta quarta-feira, dia 4 de outubro, é comemorado o Dia Nacional do Barman Muito mais do que servir bebidas, a profissão requer muito estudo, carisma e talento.

Lidar com as exigências do público, estudar as tendências, implementar técnicas, ser criativo e saber harmonizar ingredientes são requisitos básicos para quem quer seguir o caminho repleto de sabores, aromas e paixão dos donos das noites das cidades mais badaladas do mundo.

Na verdade, barman ou bartender (barwoman para mulher) é o profissional responsável pelo preparo de drinks clássicos e modernos, servidos aos clientes com todo carinho e requinte que eles merecem. Mas para desempenhar suas funções com maestria e eficiência, é essencial um bom treinamento e muita dedicação à profissão.

Indispensável em hotéis, resorts, bares, restaurantes, quiosques, boates e eventos diversos, o barman profissionalizou-se nas últimas décadas, além de realizar muitas conquistas, dentre elas, a formação de um sindicato para regulamentar a profissão. Quanto mais capacitado o bartender, maiores são suas chances de vencer no mercado de trabalho. Atualmente, são várias as suas atribuições – desde o pleno conhecimento sobre bebidas e montagem de drinks até o atendimento aos clientes.

De acordo com a performance do barman, a profissão se divide em três vertentes: freestyler, clássica e mixologista. A primeira engloba o barman mais descontraído e arrojado, que realiza malabarismos com coqueteleiras. A segunda pertence à old school, com o barman usando trajes mais formais e uma postura mais discreta e elegante. A terceira corresponde ao barman mais ousado, que prepara drinks com ingredientes inusitados geralmente em festas gourmet.

Aos mais diversos tipos de barman a Orla Rio deseja sucesso e realização profissional. Parabéns!

VOCÊ VAI GOSTAR DE VER TAMBÉM…

Domingo de experiências no Tia Augusta

Domingo de experiências no Tia Augusta

Há mais de 60 anos, um pequeno negócio nascia na Barra da Tijuca sob o vigor da  portuguesa Maria Augusta Ferreira que, naqueles tempos, nem podia imaginar a proporção que